Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Vamos reclamar...

por asombradovento, em 02.07.13

E chove lá fora. E quando o tempo está assim costumo voltar-me pra dentro. Dentro de casa. Dentro de mim. Dias frios e chuvosos são inspiradores, eles tem o poder de me acalmar e me fazer pensar um pouco mais sobre o que vem acontecendo. Confesso que quando comecei a escrever esse texto, não fazia a mínima ideia do que estava para acontecer. Dias turbulentos vieram e deixaram um rastro de destruição por onde passaram. As coisas aconteceram de um modo rápido e intenso, por isso ainda não tive tempo de associar algumas informações que a vida simplesmente jogou na minha cara. Então, enquanto tentava diluir tudo isso, cheguei a um outro assunto: reclamações..

Há assuntos-problemas que se repetem na minha vida, como o ‘guri-problema’, que é o homem com quem eu estou me importando no momento e que não está nem aí pra minha existência, causando-me sofrimento, angústia e aquele blábláblá todo de mulherzinha pra provar que seu relacionamento não anda bom do jeito que está. E ele sempre vai existir mesmo me mudando pra China, vou encontrar alguém pra me irritar e frisar mais uma vez o quanto ele me faz sofrer. Passada a vontade de reclamar do boy magia, surge a vontade de reclamar da Universidade, porque o curso está puxado, porque eu não entendo a matéria, porque tenho muita coisa pra fazer. Passou. Ok. Próxima reclamação. Engordei demais, preciso parar de comer. Voltar a fazer exercícios, porque meu condicionamento físico não é mais o mesmo. E porque gurias que jogam melhor que eu, entraram pro time. E o que eu faço? Continuo reclamando. Como se reclamar acabasse com os problemas. Mimimi nunca resolveu nada, o que resolve são atitudes. Então nesses dias em que paro pra pensar na minha vida, vou parar de perder meu tempo achando desculpa pra não ser feliz. Nada se leva dessa vida, salvo os momentos bons, e são esses que eu quero, mais e mais, daqui pra diante.

publicado às 03:25


venha inverno..

por asombradovento, em 09.05.13

E o coração frio voltou a bater. Começou a sentir-se vivo novamente, quebrando a casca de gelo que havia se formado ao seu redor. O frio do inverno chegava e contrariando seus principais paradigmas permitiu-se amar novamente. ‘A que custo?’ perguntava-se ela toda a vez que pensava no fato de aceitar que uma nova paixão lhe batia na porta. Custava aceitar, porque não queria e não podia. Não podia entregar-se a alguém indiferente, que não era capaz de conhecê-la como todos conheciam. Tudo na vida pode ter seus lados bons e ruins, ele era capaz de ser os dois, ao mesmo tempo. Numa fração de segundos ele era seu tédio e seu remédio. E por mais que ela negasse a todo mundo o que realmente sentia, ela sabia a verdade. Bem no fundo sabia. Sabia também o fim que isso tudo teria. Porque chegou a hora de por na balança o que estava acontecendo. A pessoa que era seu céu e seu inferno teria que ser enquadrada em apenas um dos dois. As oscilações são constantes e se tornam cansativas. O chove e não molha deveria molhar ou simplesmente não chover. E por mais que nenhuma opção lhe agradava, escolhas devem ser tomadas. Viver eternamente em cima do muro não é algo que ela sempre desejou pra sua vida. Cair de cara era mais interessante do que a monotonia de andar em linha reta. Não é uma decisão dela, mas principalmente dela. Para o seu bem. Para o seu fim. E que nesse inverno além das mãos geladas, o coração volte a esfriar também.

 

 

publicado às 01:59


tormenta...

por asombradovento, em 29.04.13

" E se eu soubesse que tudo ia ficar bem no final, não me importaria em nada com o que acontece agora. Mas é horrível passar um dia depois do outro sem ter certeza de nada."

-TVD

publicado às 16:55


sim, sabia que você era um problema

por asombradovento, em 29.04.13
"Eu acho que quando tudo acabar, tudo volta em flashes, sabe?

É como um caleidoscópio de memórias, tudo volta. Mas ele nunca volta.

Acho que parte de mim sabia desde o segundo em que eu o vi que isso iria acontecer

Não é na verdade nada que ele disse, nem nada que ele fez era o sentimento que veio junto com ele.

E a coisa louca é, eu não sei se eu sequer me sentirei dessa forma de novo. Mas eu não sei se eu deveria

Eu sabia que seu mundo mudou depressa demais e queimou intensamente, mas eu só pensava como pode o diabo estar te empurrando em direção a alguém que se parece tanto com um anjo quando ele sorri para você?

Talvez ele soubesse que quando me viu.

Eu acho que eu perdi o equilíbrio

Eu acho que a pior parte de tudo isso não foi perdê-lo. Foi me perder.


Eu não sei se você sabe quem você é, até perder quem você é."




publicado às 01:00


Desprezo pra que te quero

por asombradovento, em 10.04.13

E eu amo o desprezo. É a única explicação cabível.  Simples assim, adoro quando a pessoa desejada me tem como última opção. É desafiador, tenho que me esforçar para conseguir atenção, até ser quem não sou.  Imagina quando e pessoa em questão descobrir que eu sou quem ela sempre sonhou. Mesmos gostos, mesmos hobbies, a mesma fixação por carros importados ou qualquer coisa estúpida que seja interesse comum. Lindo, não? Acontece que se você tentar ser o que não é, o resultado é mais desprezo, que vai acumulando como uma bola de neve. E você só vai se dar conta disso quando a bola cair do penhasco, destruindo tudo o que você já tinha construído. Nunca estamos contentes com as pessoas que nos dão valor, que querem os melhor pra nós. Sempre estamos correndo atrás pra quem não dá à mínima. E não importa quantas vezes você disse pra si mesma “não vou voltar atrás”, “não caio mais nesse papo furado” é só ele vir com aquela cara de arrependido, dizendo coisas amáveis e você cede. Cede pra se foder de novo, mais uma vez. Espero que um dia eu aprenda com eles. E o desprezo que veio que volte em dobro.

 

 

publicado às 23:05


Give me love

por asombradovento, em 25.03.13

E um anjo viria lhe salvar. Ou apenas lhe dizer o que estivesse fazendo de errado. Sussurrar em seu ouvido aquele canto doce e suave. E todos os seus problemas iriam embora, como num passe de mágica. Levaria suas dores como a correnteza de um rio leva as folhas que nela caem. A aquarela preta e branca, enfim ganharia cor e em seguida, sentido. A vida ganharia nexo. E se estivesses prestes a cair, se despedaçar novamente, esse anjo estaria ali pra evitar qualquer queda. Há que de nome para esses anjos. Ou os definem como amigos. Outros como sentimento. Cada um possui sua própria definição dele, possui seu próprio sentimento para com ele. Mas no fim eles possuem o mesmo dever. Nos dar esperança, quando nada mais nos resta.

 

 

publicado às 23:39


Pra ser sincera..

por asombradovento, em 20.03.13

E se eu pudesse te ver hoje?

Pudesse te dizer que apesar dos pesares, foste uma das pessoas mais importantes da minha vida. Se eu tivesse você perto de mim hoje, acredito que apenas iria te agradecer pelos momentos bons, pelo quanto cresci enquanto estivemos longe. As lágrimas seriam deixadas pra depois, pra outro momento. Seria o final perfeito. Sabemos que nada nesse mundo vai acabar com nosso orgulho e ele, principalmente ele, é o que nos mantém afastados fisicamente e emocionalmente. Por mais que haja aquela batida acelerada no coração, o corpo que treme e as mãos frias, o Senhor Orgulho está ali, atrás do muro, em cima de uma árvore, esperando a hora certa pra aparecer e lembrar o que a euforia nos tinha feito esquecer. Então seria um final sem beijos ou casamentos, sem príncipes e princesas morando num castelo encantado. Sem o “felizes para sempre” com letras grandes no final do nosso filme. Apenas um agradecimento. Agradecer pelo sofrimento. Pelo crescimento. Agradecer por me ensinar como a vida anda e te arrasta com ela. Não te deixa viver no passado, te carrega para o futuro. E que o meu, venha sem você. E que quando me encontrar, tu possas perceber que fez de mim uma mulher, que tu deixaste a tua menina naquela pequena cidade. E que eu perceba que nem o orgulho e nem a euforia importam mais.

 

Um adendo ao texto, faço das palavras de Humberto Gessinger as minhas:

♪ “Um dia desses, num desses encontros casuais,

Talvez a gente se encontre, talvez a gente encontre explicações.

Um dia desses, num desses encontros casuais,

Talvez eu diga, minha amiga, pra ser sincero, prazer em vê-la,

Até mais...” ♪

 

 

publicado às 20:37


Caixa de surpresas...

por asombradovento, em 18.03.13

6 de dezembro de 2012

  

    Estava eu aqui, nesse clima de nostalgia de fim de ano, revirando uma caixa onde eu guardo coisas, que pra certas pessoas são inúteis, mas no meu ponto de vista são papéis, embalagens, fotos, objetos que me remetem a momentos da minha vida que, por razão ou outra, eu quis ter como lembrança. Eis que eu acho uma folha de caderno (aquele tipo de “última folha de caderno”) toda rabiscada, acredito que era de meados de 2009 ... Jogos da velha, desenhos e palavras aleatórias. Um nome de uma música e frases soltas de outra. Da mesma banda. E no meio da folha, no lado direito uma nota:

“Sim, queria lhe dizer que estou decepcionada até certo ponto com sua atitude não mais que infantil, mas agora não me importa o que você faz/fez ou deixa de fazer, você é passado.
Nossa música, perfeitamente feita para nós... mas não soa como soava antes, espero que assim seja.”

    Se eu sei pra quem foi escrito esse comentário? Claro que sei. Se eu lembro em que ocasião? Nunca poderia esquecer. Se eu faço ideia de qual ‘música’ eu citei? Com certeza. Confesso que quando escrevi que estava decepcionada foi a única verdade transcrita naquele momento. Ainda me importava. Ainda lembrava. Ainda sentia. Ainda chorava toda vez que ouvia a tal música, como se a dor me corroesse por dentro. Como se aquele sentimento voltasse e retirasse tudo de bom que havia sobrado em mim. Temos aí mais uma verdade no que foi escrito, a música que antes me remetia à saudade e as boas lembranças, agora me trazia dor, angustia, sofrimento, por vezes entojo.  Então por muito tempo a música foi evitada, lembranças foram jogadas fora e contatos desfeitos.
    Hoje percebi que o melhor jeito de esquecer alguém por quem você foi apaixonada e por motivo ou outro deixou de fazer parte da sua vida é ocupando-se com outras coisas. Leia um livro, preocupe-se com sua futura profissão, faça oficinas de algo que goste, desenhe, cante, cuide do seu animal de estimação. Do que estávamos falando mesmo? Ahh.. Paixões mal resolvidas.. Você ainda lembra, mas já perdeu a linha de pensamento.. e assim vai.. até que a linha se dissolve. Perde-se na imensidão de novos problemas não resolvidos que tens. Um dia, ela vira uma bonitinha lembrança guardada na sua caixinha. O que você ainda guarda?

 

- L.A.B. 

 

 

Arquivo pessoal

publicado às 03:22


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

subscrever feeds